= LEI COMPLEMENTAR N°1.341. DE 06 DE NOVEMBRO DE 2018.=

Estado do Rio de Janeiro
Município de Paracambi
Gabinete do Prefeito(a)

“DISPÕE SOBRE AS A TRIBUICÕES DA
SECRETARIA OE TRABALHO, EMPREGO E
RENDA, BEM COMO OE SEUS CARGOS, E DÁ
OUTRAS PROVIDÊNCIAS”

CAPÍTULO I
Finalidade e Competência


Art. 1° – A Secretaria Municipal de Trabalho, Emprego e Renda, sigla SMTER, órgão
da administração direta e de execução, integrante da estrutura do Sistema
Administrativo Municipal, criada pela Lei Municipal nº 973, de 14 de dezembro de
2010, que estabeleceu a sua Estrutura, tem por finalidade planejar e executar as
políticas públicas de emprego e renda e de apoio à formação do trabalhador, e de
economia solidária, em âmbito municipal.


Parágrafo único – As normas gerais de administração a serem seguidas pela
Secretaria Municipal de Trabalho, Emprego e Renda, deverão nortear-se pelos
seguintes princípios básicos: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, e
eficiência e supremacia do interesse público e, em conformidade com as instruções
emanadas dos órgãos centrais dos sistemas municipais de planejamento,
contabilidade e administração financeira, pessoal, material e patrimônio, transportes
e comunicações administrativas da Administração Central do Município de
Paracambi.


Art. 2° – Compete à Secretaria Municipal de Trabalho, Emprego e Renda:


I. Formular, coordenar e executar políticas públicas de promoção do
trabalhador, tais como, formação profissional, orientação, visando a
organização dos trabalhadores, identificação de oportunidade de trabalho e
emprego, inserção de trabalhadores no mercado de trabalho e melhoria das
relações de trabalho, inclusive em articulação com entidades de direito
público interno ou externo de todas as esferas de governo e entidades de
direito privado nacionais ou estrangeiras;
II. Propiciar condições e iniciativas que estimulem a promoção do trabalho
decente para todos;
III. Participar de atividades que estimulem o desenvolvimento sustentável, o
enfrentamento da pobreza e o exercício da cidadania, como políticas de
promoção do trabalhador;
IV. Desenvolver ações destinadas à qualificação profissional, inclusão do
trabalhador no mercado de trabalho, com a consequente geração de renda e
de apoio ao trabalhador desempregado;
V. Fomentar o desenvolvimento do esporte e do lazer;
VI. Promover pesquisas e estudos voltados para o fomento, a produção, a
comercialização e a preservação do artesão local; VII. Identificar junto a entidades de direito público interno ou externo ou de direito
privado nacional ou estrangeira, recursos financeiros, para o desenvolvimento
das ações da Secretaria;
VIII. Planejar, coordenar, executar e acompanhar as ações e programas de
fomento à economia popular e solidária, microcrédito e às finanças solidárias;
IX. Propor, definir e implementar políticas públicas do Trabalho e Renda no
âmbito do município, articulada com os demais setores e níveis da
Administração Pública, em especial com os municípios da Região
Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro, para as ações de geração de
trabalho, emprego e renda;
X. Orientar e fiscalizar condições adequadas de segurança, saúde, ambiente e
relações do trabalho;
XI. Promover convênios para fomentar iniciativas para a geração de trabalho,
emprego e renda;
XII. Realizar ações e cooperar com entidades voltadas para apoiar o trabalhador
ativo, empregado e desempregado; .
XIII. Promover e coordenar ações com a iniciativa privada para a qualificação,
requalificação e capacitação profissional com o objetivo de colocação e
reinserção do trabalhador no mercado de trabalho;
XIV. Cooperar na execução da política do Sistema Nacional do Emprego – SINE;
XV. Desenvolver a economia solidária e o empreendedorismo individual como
forma de ampliar a geração de renda do trabalhador;
XVI. Prestar apoio técnico e administrativo a Comissão Municipal de Emprego e ao
Conselho Municipal de Economia Solidária;
XVII. Administrar os fundos e recursos específicos desta secretaria;
XVIII. Exercer outras atividades correlatas, bem como as previstas em leis
especiais.


CAPÍTULO II
Organização

Art. 3° – Integram a Estrutura Organizacional da Secretaria Municipal de Trabalho,
Emprego e Renda:


I – Órgãos da Administração Direta:


a) Gabinete do Secretário Municipal de Trabalho, Emprego e Renda;
b) Superintendência de Apoio ao Trabalhador;
c) Superintendência de Economia Solidária;
d) Departamento de Capacitação e Qualificação Profissional;
e) Departamento de Administração;
f) Departamento de Empreendedorismo;
g) Coordenadoria de Informática;
h) Coordenadoria de Geração de Emprego e Renda, e
i) Assessoria.


II – Órgãos Colegiados:


a) Comissão Municipal de Emprego, cujo
Decreto, com a seguinte composição:

01 (um) representante da Secretaria Municipal de Trabalho Emprego e
Renda, e seu suplente;

  • 01 (um) representante da Secretaria Municipal de Governo, e seu suplente;
  • 01 (um) representante da Secretaria Municipal de Desenvolvimento
    Econômico, Tecnologia da Informação, Infraestruturá e Energia, e seu
    suplente;
  • 01 (um) representante da Associação de Moradores, e seu suplente;
  • 01 (um) representante de sindicatos de servidores do Município de
    Paracambi, e seu suplente;
  • 01 (um) representante de associações, sindicatos ou entidade de classe de
    categorias de trabalhadores da iniciativa privada, com abrangência municipal, e
    na ausência destes, com abrangência intermunicipal com preferência para grupos
    de municípios vizinhos, ou, ainda estadual, e seu suplente;
  • 01 (um) representante de associações, sindicatos ou entidade de classe de
    trabalhadores autônomos ou profissionais liberais, com abrangência municipal, e
    na ausência destes, com abrangência intermunicipal com preferência para grupos
    de municípios vizinhos, ou, ainda estadual, e seu suplente;
  • 01 (um) representante de associações de artesãos de Paracambi e seu
    suplente;
  • 01 (um) representante de associação, câmara ou sindicato de empregadores,
    do setor de industriais, serviços ou comércio, e seu suplente;
  • 01 (um) representante de serviço de apoio e fomento ao micro e pequeno
    negócio, e seu suplente.
    b) Conselho Municipal da Economia Solidária instituído pela Lei Municipal nO1.202,
    de 19 de Maio de 2016, de caráter deliberativo e consultivo, composto por vinte
    entidades – cinco do Governo Municipal, dez de Empreendimentos de Economia
    Solidária e cinco de Entidades de Apoio e seus respectivos suplentes, conforme
    abaixo especificado:

1. Secretaria Municipal de Agricultura;

2. Secretaria Municipal de Trabalho, Emprego e Renda;

3. Secretaria Municipal de Educação, Esporte e Lazer;

4. Secretaria Municipal de Cultura e Turismo;

5. Secretaria Municipal de Assistência Social;

6. 10 (dez) representantes de empreendimentos da Economia Solidária;

7. 05 (cinco) representantes de entidades de apoio.


§1° – As atividades de assessoramento em comunicação social, no âmbito da
Secretaria Municipal de Trabalho, Emprego e Renda, serão executados na forma
prevista em lei e em articulação com a Assessoria Geral de Comunicação Social, do
Gabinete do(a) Prefeito(a).
§2° – As atividades de ouvidoria serão exercidas por um Ouvidor vinculado ao
Gabinete do(a) Prefeito(a), na forma prevista na legislação específica.

CAPÍTULO III

Atribuições dos Titulares de Cargo em Comissão


Art. 4° – Aos titulares dos cargos em comissão cujas nomenclaturas, quantidades e
simbologias constam no anexo II, da Lei 973, de 14/12/2010, terão suas respectivas
atividades e atribuições gerais e específicas descritas nos artigos a seguir.
Parágrafo Único. Aestrutura organizacional e administrativa da Secretaria Municipal
de Trabalho, Emprego e Renda, representada pelo organogr-ama que consta em
anexo único nesta Lei.


Art. 5° – Ao Secretário Municipal de Trabalho, Emprego e Renda, no desempenho de
suas atribuições, compete:


I. assessorar diretamente ao(a) Prefeito(a) do Município nos assuntos
compreendidos na área de competência da Secretaria;
II. exercer a orientação, coordenação e supervisão dos órgãos da Secretaria e
das entidades a ela vinculadas;
III. viabilizar a aprovação dos planos, programas, projetos, orçamentos,
cronogramas de execução e de desembolso pertinentes à Secretaria;
IV. promover medidas destinadas à obtenção de recursos, com vistas à
implantação de programas a cargo da Secretaria;
V. praticar atos pertinentes às atribuições que lhe forem delegadas pelo(a)
Prefeito(a) do Município;
VI. celebrar convênios, contratos, acordos, protocolos e outros ajustes como
ordenador de despesas, mediante delegação expressa do(a) Prefeito(a), bem
como propor alterações dos seus termos ou sua denúncia;
VII. referendar os atos e decretos assinados pelo(a) Prefeito(a);
VIII. expedir instruções e normas para a execução das leis, decretos e
regulamentos;
IX. designar/dispensar, no âmbito de suas atribuições, os ocupantes de cargos
em comissão;
X. constituir comissões consultivas de especialistas e/ou grupos de trabalho;
XI. promover a avaliação sistemática das atividades dos órgãos e entidades da
Secretaria;
XII. apresentar ao(a) Prefeito(a), anualmente ou quando por este solicitado,
relatório de sua gestão;
XIII. encaminhar ao(a) Prefeito(a) projetos de leis e decretos elaborados pela
Secretaria;
XIV. presidir os coleqiados integrantes da estrutura da Secretaria e dos órgãos e
entidades a ela vinculadas;
XV. representar ou fazer representar a Secretaria em colegiado dos órgãos e
entidades da Administração Pública Municipal, de acordo com a legislação em
vigor;
XVI. comparecer, quando convocado pela Câmara Municipal ou por Comissão sua,
podendo fazê-lo por iniciativa própria, mediante ajuste com a Presidência,
para expor assuntos relevantes de sua Pasta;
XVII. designar as comissões de licitação e homologar os julgamentos destas XVIII. articular-se com outros Secretários do Município, com vistas à adoção de
medidas que visem ao aperfeiçoamento dos serviços públicos municipais,
relacionados com a área de competência da Secretaria.


Art. 6° – A Superintendência de Apoio ao Trabalhador, que tem por finalidade
planejar, propor e coordenar a execução das políticas de apoio ao trabalhador, terá
as seguintes atribuições:


I. formular, coordenar, avaliar e/ou executar políticas públicas destinadas ao
trabalhador, tais como: orientação, qualificação profissional, inserção do
trabalhador no mercado de trabalho, segurança e saúde no trabalho, apoio ao
desempregado;
II. promover e divulgar estudos e pesquisas que subsidiem a implementação de
políticas de apoio ao trabalhador;
III. promover medidas que visem ao atendimento dos direitos e benefícios
assegurados ao trabalhador;
IV. organizar, manter e difundir informações relativas às áreas trabalhistas e
sindicais;
V. executar acordos, contratos e convênios voltados para o apoio ao trabalhador,
celebrados com entidades públicas e privadas;
VI. promover ações dirigidas à geração de renda, bem como ao apoio a micro e
pequenas empresas;
VII. apoiar o funcionamento da Comissão Municipal de Trabalho.


Art. 7° – A Diretoria de Capacitação e Qualificação Profissional tem por atribuições:


I. elaborar, coordenar e acompanhar a execução de programas e projetes de
formação e certificação profissional, em articulação com organismos federal,
estaduais e internacionais;
II. articular-se com outros órgãos, entidades e instituições para realização de
estudos e pesquisas, visando compatibilizar a oferta de cursos com as
exigências do mercado de trabalho;
III. assessorar órgãos, entidades e instituições na elaboração e implantação de
projetes de qualificação profissional;
IV. organizar e manter atualizado cadastro de instituições de educação
profissional no Município e no Estado;
V. analisar e avaliar projetes de qualificação profissional, visando definir sua
viabilidade técnica;
VI. identificar necessidades de qualificação profissional no Município, visando
subsidiar o planejamento de suas ações;
VII. exercer outras atividades correlatas.


Art. 8° – A Diretoria Administrativa tem por atribuições:


I. executar as atividades de programação orçamentária, acompanhamento,
avaliação, estudos e análises, no âmbito da Secretaria, em estreita
articulação com as unidades centrais do Sistema Municipal de Planejamento;
II. executar as atividades de administração de material, patrimônio, serviços,
recursos humanos, modernização administrativa e informática, no âmbito da
Secretaria, em estreita articulação com as unidades centrais do Sistema
Municipal de Administração; III. executar as atividades de administração financeira e de contabilidade, no
âmbito da Secretaria, em estreita articulação com as unidades centrais do
Sistema Financeiro e de Contabilidade do Município.


Art. 9° – A Coordenadoria de Informática incumbida de promover todos os
procedimentos relativos ao suporte técnico do Setor de Informática, em atendimento
às necessidades da Secretaria tem por atribuições:
I. implantar e operacionalizar sistemas de informações para acompanhamento
das ações estratégicas elaboradas pela secretaria;
II. organizar, manter e gerenciar banco de dados com informações referentes ao
mercado de trabalho, acidentes de trabalho e doenças ocupacionais;
III. apoiar a realização de estudos e pesquisas que forneçam indicadores de
emprego, desemprego e rotatividade dos trabalhadores, para fins de análise
da conjuntura de mercado de trabalho;
IV. estimular, propor e divulgar estudos e pesquisas cobre o comportamento do
mercado de trabalho;
V. estabelecer· parcerias com instituições de pesquisas para geração de
informações relevantes ao desenvolvimento do trabalho;’
VI. Formular e propor medidas, com caráter normativo, visando melhor
sistematização, racionalização e articulação entre os órgãos da
administração;
VII. Planejar coordenar e acompanhar a implementação de políticas e o
desenvolvimento de programas, projetas e atividades na área de informática,
considerando a aplicação das normas legais e o princípio da modernização da
máquina pública promovendo direta ou indiretamente a modernização dos
processos administrativos, em todos os níveis da secretaria;
VIII. exercer outras atividades correlatas.


Art. 10 – À Superintendência de Economia Solidária, que tem por finalidade planejar,
coordenar, executar e acompanhar as ações e programas de fomento à economia
solidária compete:


I. promover ações que orientem a intervenção do Município para o
desenvolvimento, direcionando-as para a criação de condições mais justas de
produção e distribuição de riquezas com valorização das especificidades no
Municípios;
II. consolidar a economia solidária como uma estratégia viável de
desenvolvimento;
estimular as relações sociais de produção e consumo, baseadas na
cooperação, na solidariedade, na satisfação e valorização dos seres humanos
e do meio ambiente;
III. planejar, executar, acompanhar, avaliar e subsidiar as ações e os programas
relacionados à economia solidária e micro finanças, tendo em vista a
consolidação da política pública municipal de economia solidária, em
consonância com a Lei Municipal nº 1.202/2016;
IV. colaborar com outros órgãos do governo municipal na formulação,
implementação e avaliação de políticas sociais, de desenvolvimento, trabalho
e renda;
V. estimular e avaliar as parcerias com órgãos públicos nas três esferas de
Governo, com os movimentos sociais, organizações não governamentais, agências de fomento da economia solidária, entidades financeiras solidárias e
entidades representativas de cooperativismo e associativismo;
VI. fortalecer os espaços de organização e de participação da sociedade civil e
dos demais entes governamentais, na formulação de políticas públicas para a
economia solidária;
VII. promover estudos e pesquisas que contribuam para Ç> desenvolvimento e
divulgação da economia solidária;
VIII. estimular a criação, manutenção e ampliação de oportunidades de trabalho e
acesso à renda, por meio de empreendimentos autogestionados, organizados
de forma coletiva e participativa, inclusive os de economia popular;
elaborar e propor medidas para a articulação de políticas de finanças em suas
múltiplas modalidades, ampliando a escala de suas operações, os serviços
financeiros prestados, legitimando novas institucionalidades econômicas;
apoiar, tecnicamente, os órgãos colegiados da Secretaria, em sua área de
competência;
IX. promover e colaborar com o desenvolvimento e a divulgação de pesquisas e
de informações na área da economia popular solidária;
X. promover ações de troca de saberes e de formação interdisciplinar no campo
da economia solidária;
XI. orientar a gestão de informações, conhecimentos e dados estratégicos sobre
a economia solidária e o uso dos recursos tecnológicos apropriados;
XII. promover seminários, encontros e outras atividades que tenham por objetivo a
divulgação e a promoção da economia solidária;
XIII. coordenar estudos sobre temas que visem ao fortalecimento da economia
solidária e à difusão do conhecimento;
XIV. viabilizar a construção do marco legal da economia solidária, com
participação ampla da sociedade civil e de outros órgãos do Município;
XV. divulgar os conceitos e as práticas de comércio justo e consumo consciente,
ético e solidário;
XVI. propor, elaborar e garantir o acesso a material de divulgação de economia
solidária, garantindo a democratização da comunicação, fortalecendo as
redes alternativas de comunicação popular e de massa;
XVII. desenvolver e manter atualizados sistemas públicos de informações sobre
economia solidária;
XVIII. exercer outras atividades correlatas.


Art. 11 – A Diretoria de Empreendedorismo tem por atribuições:


I. coordenar, executar e acompanhar as ações de microcrédito e de finanças
solidárias, no âmbito do Município;
II. contribuir com as políticas de micro finanças, estimulando o cooperativismo de
crédito, os bancos comunitários e outras formas de organização deste setor;
III. promover a articulação de políticas de financiamento que viabilizem a criação
de novos empreendimentos .e o desenvolvimento e consolidação dos já
existentes;
IV. viabilizar, através de convênios, o acesso a fontes de financiamento para
empreendimentos solidários e de produção comunitária;
V. realizar estudos de viabilidade técnica e econômica para projetos de micro
empreendimentos a serem financiados; . J eVI. acompanhar e avaliar os empreendimentos financiados; VII. estimular, através do microcrédito, atividades socioambientais sustentáveis
nos espaços urbanos e rurais, considerando a diversidade dos territórios e
das culturas;
VIII. exercer outras atividades correlatas.


Art. 12 – A Coordenação de Geração de Emprego e Renda tem por atribuições:


I. promover ações, elaborar e coordenar programas e projetos que visem ao
desenvolvimento e fortalecimento da economia solidária;
II. coordenar a articulação e o desenvolvimento de parcerias com organizações
governamentais, não-governamentais, entidades de classe, universidades e
outras instituições para o desenvolvimento de programas de fomento à
economia solidária;
III. promover a expansão dos empreendimentos solidários, mediante a abertura e
fortalecimento de canais de comercialização;
IV. fortalecer o assessoramento técnico e gerencial dos empreendimentos
solidários e de produção comunitária;
V. estimular o desenvolvimento de linhas de crédito que sejam mais adequadas
aos empreendimentos solidários;
VI. assistir e orientar o trabalhador desempregado, quanto à utilização do seguro desemprego;
VII. promover articulações que facilitem a intermediação para o trabalho;
VIII. informar e cadastrar e encaminhar ao mercado formal os trabalhadores
inscritos através das unidades de atendimentos;
IX. organizar e manter atualizado o cadastro dos trabalhadores autônomos;
X. exercer outras atividades correlatas.


Art. 13 – Aos Assessores Executivos competem:


I. executar por delegação as atribuições administrativas definidas e
estabelecidas pelo titular da pasta, bem como subsidiar ações administrativas
de assessoramento administrativo a todos os órgãos da Secretaria;
II. desempenhar as atribuições administrativas definidas e estabelecidas pelas
Superintendências, com desempenho nas respectivas áreas de atuações;
III. desempenhar outras atividades que lhe sejam atribuídas pelo Secretário no
âmbito de sua área de atuação.


Art. 14 – Aos Assessores I competem:


I. executar por delegação as atribuições administrativas definidas e
estabelecidas pelo Secretário, bem como subsidiar ações administrativas de
assistência administrativa a todos os órgãos da Secretaria;
II. desempenhar as atribuições administrativas definidas e estabelecidas pelo
Secretário, com desempenho subsidiário e complementar nas áreas das
Superintendências;
III. desempenhar outras atividades que lhe sejam atribuídas pelo Secretário e
Superintendentes no âmbito de suas respectivas áreas de atuação.


Art. 15 – A Comissão Municipal de Trabalho, órgão de deliberação colegiada, tem
por finalidade consubstanciar a .participação da sociedade organizada na
administração de um serviço público, estabelecer diretrizes e prioridades e acompanhar a implementação de políticas públicas de fomento à geração de
oportunidades de emprego e renda, bem como de promoção de incentivo a
modernização das relações de Trabalho no Município de Paracambi, compete:


I. Propor medidas alternativas econômicas e sociais, geradoras de
oportunidades de emprego e renda, com base em relatórios técnicos, que
minimizem os efeitos negativos dos ciclos econômicos e do desemprego
estrutural sobre o mercado de trabalho;
II. Propor plano de trabalho para as políticas públicas de fomento e geração de
oportunidade de emprego e renda no Município, de acordo com os critérios
definidos no CODEFAT, objetivando a execução de ações integradas de
alocação e realocação de mão-de-obra, qualificação e reciclagem profissional
e programas de apoio à geração de emprego e renda;
III. Participar da elaboração de plano de trabalho para as políticas públicas de
fomento e geração de oportunidades do Sistema Nacional de Emprego, no
âmbito de sua competência, para que seja submetida’ à aprovação do
SINE/RJ, Comissão Estadual de Emprego/MTE/CODEFAT;
IV. Acompanhar de forma contínua, as ações, a nível Estadual/Municipal,
destinadas a qualificação de mão-de-obra, a reciclagem profissional e a
geração de emprego e renda, apresentando propostas alternativas e
propondo subsídios para formulação da política de formação profissional e
geração de emprego e renda;
V. Propor medidas para o aperfeiçoamento do Sistema Nacional de Emprego;
VI. Subsidiar, quando necessário, as deliberações do Conselho Estadual de
Emprego;
VII. Analisar as tendências dos sistemas produtivo no âmbito do município e seus
reflexos na criação de postos de trabalho e perfil de demanda de
trabalhadores, com base permanente de informações sobre o mercado de
trabalho no município;
VIII. Analisar e emitir parecer sobre enquadramento de projetos de geração de
oportunidades de emprego e renda, capacitação profissional e outros, nas
diretrizes e’ prioridades do Município, acompanhando a aplicação dos
recursos financeiros a eles destinados;
IX. Promover a articulação com instituições e organizações públicas ou privadas
envolvidas com programas de geração de oportunidade de emprego e renda,
visando à integração das ações;
X. Promover a articulação com entidades de formação profissional, escolas
técnicas, universidades, entidades representativas de empregados e
empregadores e organizações não governamentais, na busca de parcerias
para ações de capacitação, reciclagem profissional e assistência técnica aos
beneficiários de financiamento;
XI. Promover e incentivas à modernização das relações de trabalho, inclusive nas
questões de segurança e saúde e no trabalho;
XII. Criar Grupo de Apoio Permanente (GAP) com composição tripartite e
paritária, em igual número de representantes dos trabalhadores, dos
empregados e do governo, o qual poderá, a seu critério, constituir subgrupos
temáticos, temporários ou permanentes, de acordo com as necessidades
específicas;

XIII. Elaborar relatórios sobre análise procedida encaminhando-o à Comissão
Estadual de Emprego, que consolidarão os dados para envio ao
MTE/CODEFAT.


Art. 16 – Ao Conselho Municipal de Economia Solidária, órgão colegiado deliberativo
e consultivo, compete:


I. implementar a Política Municipal de Fomento à Economia Solidária;
II. definir os critérios para a seleção dos programas e projetos a serem
financiados com recursos do Fundo Municipal de Economia Solidária;
III. definir as regras para o enquadramento nos critérios de Empreendimento de
Economia Solidária e fornecimento do Selo de Economia Solidária;
IV. fiscalizar, acompanhar, monitorar e avaliar a gestão dos recursos, os ganhos
sociais e o desempenho dos programas e projetos financiados do Fundo
Municipal de Economia Solidária;
V. acompanhar, monitorar e avaliar os programas de fomento aos
empreendimentos de Economia Solidária desenvolvida pelos órgãos e
entidades públicos do Município;
VI. definir mecanismos para facilitar o acesso dos empreendimentos de
Economia Solidária aos serviços públicos municipais;
VII. buscar garantias institucionais para que os empreendimentos de Economia
Solidária possam participar das licitações públicas; .
VIII. propor mecanismos de estabelecimento de incentivos fiscais para os
empreendimentos de Economia Solidária;
IX. desenvolver mecanismos e formas de facilitar acesso dos empreendimentos
de Economia Solidária a recursos públicos;
X. propor alterações na legislação municipal relativa à Economia Solidária;
XI. elaborar seu regimento interno:
XII. certificar empreendimentos da Economia Solidária;
XIII. buscar por todos os meios legais o alcance dos objetivos desta Lei;
XIV. fazer o registro dos empreendimentos;
XV. excluir do benefício da lei empreendimentos que desrespeitar a presente lei;
XVI. aprovar e fazer cumprir Regimento de Funcionamento dos Centros Públicos
de Economia Solidária;
XVII. indicar, aprovar, reprovar e afastar entidades sem fins lucrativos que
administrem os centros públicos de Economia Solidária.


CAPÍTULO VI
Disposições Finais


Art. 16 – O(a) Secretário(a) Municipal de Trabalho, Emprego e Renda poderá
constituir grupos de trabalho, mediante portaria, onde estabelecerá a finalidade, o
prazo de duração e as atribuições dos respectivos titulares, sem a contrapartida
específica de remuneração.

Art. 17 – As atividade referentes a documentação, distribuição de informações e
acesso bibliográfico da Secretaria ficam vinculadas à Diretoria Administrativa.


Art. 18 – O(a) Secretário(a) Municipal de Trabalho, Emprego e Renda poderá
expedir instruções normativas para o cumprimento desta Lei.


Art. 19 – Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.


Gabinete da Prefeita, 06 de novembro de 2018.

ANEXO ÚNICO

Gabinete da Prefeita, 06 de novembro de 2018.

Desenvolvido por BetterDocs

Atenção Contribuinte!

Com intuito de facilitar a integração entre a Prefeitura e os contribuintes em débito com o município, nosso SETOR DE COBRANÇA ADMINISTRATIVA, vinculado a Secretaria Municipal de Finanças, está realizando contato também pelo WHATSAPP número: 21 97091-5617. Através desse novo canal é possível obter informações de débitos de IPTU, receber guia de parcelamento com parcela inadimplente, entre outros serviços.
Ao receber alguma mensagem referente a qualquer cobrança em nome da Prefeitura Municipal de Paracambi, certifique se foi emitida através do nosso WHATSAPP DO SETOR DE COBRANÇA ADMINISTRATIVA nº 21 97091-5617.

101 Whatsapp Logo Png Transparent Background 2020 [Free Download]

(21)97091-5617