=LEI MUNICIPAL N°1.346, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2018=

Estado do Rio de Janeiro
Município de Paracambi
Gabinete do Prefeito(a)

“CONSOLIDA e ADEQUA AS NORMAS De CRIAÇÃO
ORGANIZAÇAO E ATRIBUIÇÕES DA SECRETARIA DE
TRANSITO E TRANSPORTE MUNICIPAL”

CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES


Art. 1° – Fica criada a Secretaria de Trânsito e Transportes Municipal – SECTRAN,
responsável por realizar a gestão do trânsito no Município de Paracambi, com as atribuições
definidas na lei Federal n09.503. de 23 de setembro de 1997 – Código de Trânsito Brasileiro,
suas alterações e regulamentações.


Art. 2° – Fica autorizado o Município de Paracambi por meio da SECTRAN a firmar
contratos, convênios, acordos’ de cessão e disposição funcional, independentemente, de
regime jurídico mediante ressarcimento, termos de cooperação técnica e demais
instrumentos congéneres com órgãos e entidades da administração direta e indireta das três
esferas de governo, para a plena execução do disposto no Art. 1°, desta lei.


CAPÍTULO II

DA SECTRAN


Art. 3º – A SECTRAN atuará em todo o Município de Paracambi, competindo-lhe:


I – Planejar, coordenar, executar, controlar e fiscalizar a politica municipal dos transportes,
a engenharia de tráfego, a regulação e controle dos serviços municipais de “transportes
coletivos de passageiros, táxis” veículos de carga e outros;
II – cumprir e fazer cumprir a legislação e as normas de trânsito, no âmbito de suas
atribuições;
III – projetar, regulamentar e operar o trânsito de pedestres e de veículos de qualquer tração,
e promover o desenvolvimento da circulação coletiva e da segurança viária.
IV – implantar, manter e operar o sistema de sinalização, os dispositivos e os equipamentos
de controle viário:
V – coletar dados estatísticos e elaborar estudos ~f.’0reos acidentes de trânsito e suas causas;
VI – estabelecer em conjunto com os órgãos de polícia ostensiva de trânsito, as diretrizes
para o policiamento ostensivo de trânsito: VII – executar a fiscalização de trânsito. autuar e aplicar as medidas administrativas cabíveis~ ‘. .
por infrações de circulação, estacionamento e parada previstas no Código de ‘Trânsito
Brasileiro, no exercício regular do poder de policia de trânsito;
VIII estabelecer limites de pesos e dimensões para circulação de veículos de carga no perímetro urbano;

IX – fiscalizar, autuar e aplicar, as penalidades e medidas administrativas cabíveis relativas a infrações por excesso de peso, dimensões e lotação dos veículos, bem como notificar e arrecadar as multas que aplicar;

X – fiscalizar o cumprimento da norma contida no Art. 95 da Lei Federal n 9.503/1997, relativa a obras e eventos, aplicando as penalidades e arrecadando as multas nela previstas;

XI – implantar, manter e operar o sistema de estacionamento rotativo pago nas vias;

XII – arrecadar valores provenientes de escolta de veículos de cargas superdimensionadas ou perigosas:

XIII – credenciar os serviços de escolta, fiscalizar e adotar medidas de segurança relativas aos serviços de remoção de veículos ..escolta e transporte de carga indivisível;

XIV – integrar-se a outros órgãos e entidades do Sistema Nacional de Trânsito para fins de arrecadação e compensação de multas impostas na área de sua competência, com vistas a unificação do licenciamento, a simplificação e celeridade das transferências de veículos e de prontuários dos condutores de uma para outra unidade da Federação; XV – implantar as medidas da Política Nacional de Trânsito e do Programa Municipal de
Trânsito e Transporte;
XVI- fornecer, quando solicitado, ao órgão trânsito do governo estadual ou federal, dados
estatísticos para organização da estatística geral de trânsito;
XVII –promover e participar de projetes e programas de educação e segurança de trânsito
de acordo com as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Nacional de Trânsito – CONTRAN;
XVIII – planejar e implantar medidas para redução da circulação de veículos e reordenação
do tráfego, com o objetivo de diminuir a emissão global de poluentes, priorizando a
mobilidade por veículos de propulsão humana ou não poluentes.
XIX – implantar e implementar o sistema cicloviário no Município garantindo a sua
continuidade; XX – fiscalizar o nível de emissão de poluentes e ruídos produzidos pelos veículos
automotores ou pela sua carga, além de dar apoio às ações específicas de órgão ambiental
local, quando solicitado;
XXI – autorizar a utilização de vias municipais. sua interdição parcial ou total, permanente
ou temporária, bem como, estabelecer desvios ou alterações do tráfego de veículos, e
regulamentar velocidades superiores ou inferior es às estabelecidas no Código de Trânsito
Brasileiro – ETB;
XXII – regulamentar e fiscalizar as operações de carga e descarga de mercadorias e de
valores;
XXIII – propor e implantar políticas de educação para a segurança do trânsito articulando-
se com órgãos normatizadores da educação do Município para o estabelecimento de
encaminhamento metodológico em educação para o trânsito;
XXIV – elaborar projetos de programação operacional da mobilidade urbana de passageiros,
incluindo a definição de itinerários, pontos de parada, quadros de horários e
dimensionamento da frota;
XXV – propor ao Chefe do Executivo, a política tarifária local, consultando as
recomendações emitidas pelos órgãos estaduais e federais;
XXVI – avaliar periodicamente os custos dos sistemas de transportes de ‘passageiros
coletivos e individuais, decidindo com o Chefe do Executivo sobre a definição das tarifas;
XXVII – elaborar projetos de integração física, tarifária e operacional do sistema de
transporte urbano c distrital de passageiros;
XXVIII – fiscalizar a operação dos serviços de transporte de passageiros;
XXIX – administrar o terminal rodoviário e o urbano do Município;
XXX – responder em tempo hábil as perguntas, sugestões ou solicitaçõ~s de informações e
alteração no trânsito aos cidadãos;
XXXI – elaborar, propor e deliberar sobre as políticas relacionadas com as atividades
inerentes ao trânsito, tráfego e transporte;
XXXII – participar na elaboração e atualização o mapa viário do Município,
XXXIII – participar junto com a Guarda Municipal e Policia Militar do controle dos níveis
de poluição sonora decorrente de uso abusivo de som automotivo e similares


Parágrafo único – O Município providenciará o credenciamento da SECTRAN junto ao
Departamento Nacional de Trânsito – DCNATRAN.

Art. 4° A Comissão de Análise de Defesa Prévia – CADEPI, Decreto Municipal n°1.755,
de 28 de setembro de 2007 é vinculada a JARI


Parágrafo único – À CADEPI compete


I – Analisar e julgar as defesas apresentadas as notificações de infrações, de forma preliminar
a emissão do auto de infração pela autoridade de trânsito local;
II – Encaminhar e solicitar aos Órgãos e Entidades Executivos de Trânsito e Executivos
Rodoviários informações complementares relativas aos recursos, objetivando uma melhor
análise da situação recorrida; III –Encaminhar aos Órgãos e Entidades Executivas de Trânsito e Executivos Rodoviários
informações sobre problemas observados nas autuações e apontados em recursos, e que se
repitam sistematicamente


§ 1º – A CADEPI e constituída respectivamente por 03 (três) membros efetivos e igual
número de suplentes, sendo
I – 01 (um) Presidente, que será o mesmo presidente nomeado para a lAR! de indicação do
Exma. Prefeita Municipal, com conhecimento na área de trânsito com, no mínimo, nível
médio de escolaridade;
II – 02 (dois) representantes escolhidos entre os cidadãos da sociedade.civil.
III – O mandato dos membros da CADEPI será de 2 (dois) anos, permitida a recondução por
períodos sucessivos.


Art. 5° – Junta Administrativa de Recursos de Infrações – JARI, Decreto Municipal n° 4.531,
de 21 de junho de 2017, órgão colegiado, componente do Sistema Nacional de Trânsito, tem
poderes e atribuições previstas no Ar1. 12, do Código de Trânsito Brasileiro – CTB (Lei n”
9.503, de 23 de setembro de 1997) e no Item 3, do Anexo da Resolução n0357, de 2 de agosto
de 2010, do Conselho Nacional de Trânsito – CONTRAN;


Parágrafo único – À JARl compete


I – Analisar e julgar os recursos interpostos pelos infratores;
II – Solicitar aos Órgãos e Entidades Executivas de Trânsito e Executivos Rodoviários
informações complementares relativas aos recursos, objetivando urna melhor análise da
situação recorrida;
III – Encaminhar aos Órgãos e Entidades Executivas de Trânsito e Executivos Rodoviários
informações sobre problemas observados nas autuações e apontados em recursos, e que se
repitam sistematicamente.

§ Iº- A JARI é constituída respectivamente por 03 (três) membros titulares, nomeados Pela
Prefeita Municipal de Paracambi, sendo
I – 01 (um) Presidente, que será nomeado por indicação da Exma. Prefeita Municipal, com
conhecimento na área de trânsito com, no mínimo, nível médio de escolaridade;
II – 01 (um) representante servidor do órgão ou entidade que impôs a penalidade;
III – 01 (um) representante de entidade representativa da sociedade ligada à área de trânsito.
IV – O mandato dos membros da JARl será de 2 (dois) anos, permitida a recondução por
períodos sucessivos.


Art. 6° – O trabalho dos membros da CADEPI e JARl são considerados serviços público,
podendo ser remunerados ou gratificados no equivalente a 50 UFIR’S por reunião de
julgamento


CAPLTULO III
DA ESTRUTURA DA SECTRAN


Art. 7 – Para o adequado funcionamento da SECTRAN, em sendo o Município de Paracambi
integrante do Sistema Nacional de Trânsito, ficam criados na sua estrutura administrativa os
seguintes cargos comissionados:

Art. 8° – O Secretário de Trânsito e Transportes é a autoridade de trânsito municipal
competente para aplicar as penalidades previ stas na Lei n” 9.503, de 23 .de setembro de 1997
_ Código de Trânsito Brasileiro e legislação complementar no âmbito do Município de
Paracambi.


Parágrafo único – Ao Secretário de Trânsito e Transportes, compete:


I – Exercer a representação da Secretaria em todos os aros que envolverem interesses e
responsabilidades, inclusive acordos, convênios e contratos, admitindo delegação a
servidores expressamente designados;
II – Responsabilizar-se pela gestão administrativa e financeira da Secretaria, ordenar as
despesas e prestar contas da gestão;
III – Estabelecer as diretrizes da Política Municipal de Transportes Públicos e Trânsito,
ordenar articulações com as demais Secretarias;
IV – Cumprir e fazer cumprir as atribuições na Lei Federal n” 9503 de 23/09/97 que aprovou
o CTB.
V – Coordenar as atividades ela JARI e CADEPI, como órgãos colegiados de instâncias
julgadoras das penalidades aplicadas por infrações de trânsito;
VI – dar apoio técnico ao planejamento, projetes, regulamentação, educação e operação do
trânsito dos usuários das vias publicas nos limites do Município:
VII – implantar as medidas de Política Nacional de Trânsito e do Programa Nacional de
Trânsito;
VIII – Trabalhar em cooperação com a Guarda Municipal referente às questões do trânsito;
IX – Regulamentar, coordenar e implementar as atividades de engenharia e a operação de
tráfego, ordenando, planejando, organizando e disciplinando o uso do solo viário;
X – Regulamentar, coordenar, implementar, autorizar e delegar as atividades do serviço de
transporte público, ordenando, planejando, organizando e disciplinando em regulamento
próprio;
XI – Credenciar agentes de fiscalização próprios ou de outros órgãos ou entidades que
venham por força de convênios ou outros instrumentos executar isoladamente ou
concomitantemente a fiscalização de trânsito e transportes;
XII – Regulamentar, fiscalizar, organizar e operar os sistemas do transporte coletivo e
transporte de cargas como um todo, integrando-se aos sistemas de trânsito e transportes
intermunicipais, de caráter regional, metropolitano, estadual ou federal: XIII – Celebrar convênios, contratos e outros instrumentos legais com entes públicos ou
privados;
XIV – Exercer, dentro de seu limite territorial, todas as competências que lhe foram
atribuídas pela Lei Federal n? 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de Trânsito
Brasileiro), e demais legislações e regulamentos, para o exercício do provimento,
organização, gerenciamento e exploração do sistema de trânsito e transportes;
XV – Conceder ou autoriz.ar os serviços de táxis, veículos de aluguel e transporte coletivo;
XVI – O Secretário de Trânsito e Transportes poderá editar Resoluções para melhor gestão
de suas respectivas atribuições, publicadas em Diário Oficial.


Art. 90 – Ao Diretor Administrativo compete:


I – Prestar assistência e auxiliar o Secretário na coordenação das atividades da Secretaria e
exercer outras atribuições que este lhe delegar;
II – Propor ao Secretário medidas aplicáveis na melhoria das atividades da Secretaria;
III – Preparar o expediente do Secretário e auxiJiando-o administrativamente;
IV – Coordenar a feitura de ofícios e demais documentos oficiais;
V – Realizar a comunicação entre a Secretaria e o Departamento de Trânsito do Estado –
DETRAN.
VI – Elaboração de metas para LOA;
VII – Elaboração de projetos básicos;
VIII – Inclusão, alteração referente a serviços e compras de materiais no sistema;
IX – Recebimento, encaminhamento e despacho de processos no sistema;
X – Elaboração processo de adiantamento;
XI – Prestação de contas de adiantamento;
XII – Toda documentação referente aos serviços autónomos dos taxistas;
XIII – Outras atividades e providências administrativas inerentes ao cargo;


Art. 10º – Cabe ao do Diretor de Fiscalização, Sinalização e Mobilidade Urbana as
seguintes atribuições:
I- Assessorar a equipe responsável em dar cumprimento à legislação e às normas de trânsito;
II – Coordenar a implantação, manutenção e operação do sistema de sinalização, dos
dispositivos e dos equipamentos de controle viário; III – Coordenar a coleta de dados estatísticos e elaboração de estudos sobre os acidentes de
trânsito e suas causas;
IV – Coordenar as obras e eventos que afetem direta ou indiretamente o sistema viário
municipal, em conjunto com o setor de engenharia do município;
V – Dirigir a política de integração com outros órgãos e entidades do Sistema Nacional de
Trânsito, bem corno, programas e convênios com outros entes;
VI – Coordenar a equipe de trabalho na execução dos projetos e programas de educação e
segurança de trânsito de acordo com as diretrizes estabelecidas pelo órgão competente;
VII – Desempenhar outras atividades, que por suas características se incluam entre suas
atribuições;
VIII – Trabalhar em conjunto com o Chefe de Transportes Concedidos e Chefe de Projetas
de Trânsito a respeito do apoio para as’ medidas de melhoria do trânsito, conservação e
manutenção da sinalização viária e seus equipamentos;
IX – Executar outras atividades inerentes ao cargo.
X – Fiscalizar e atuar para implementar políticas públicas, programas e convênios,
concernentes ao melhoramento da mobilidade urbana e segurança do trânsito;


Art. 11 – As atribuições do Chefe de Transportes Concedidos são:


I – Exame e a avaliação dos requisitos legais para os veículos que operam no transporte de
passageiros;
II- Ministrar tarefas na rede escolar de tema? alusivos a Educação para o trânsito;
III – Executar campanhas de educação para o trânsito no âmbito do município;
IV – Desenvolver ações em conjunto com a Engenharia de Tráfego e com os Agentes de
Trânsito, coletando dados, a fim de evitar grandes índices de infrações, de paradas,
circulação e estacionamento, promovendo campanhas diferenciadas;
V – Monitorar a fiscalização do trânsito no município, a conservação das placas e semáforo;
VI – Manter registro, com documentação sempre atualizada, na forma da legislação vigente,
de todos os operadores do sistema de transporte de passageiros municipal;
VII –Trabalhar em conjunto com o Diretor de Fiscalização, Sinalização e Mobilidade
Urbana e com o Chefe de Projetos de Trânsito a respeito do apoio para as medidas de
melhoria do trânsito, conservação e manutenção da sinalização viária e seus equipamentos;
VIII – Executar outras atividades inerentes ao cargo.


Art. 12 – Das atribuições do Chefe de Projetes de Trânsito:

I – Planejar e elaborar projetes, bem como coordenar estratégias de estudos do sistema
viário;
II -Planejar o sistema de circulação viária do município;
III – Proceder a estudos de viabilidade técnica para implantação de projetos de trânsito;
IV – Integrar-se com diferentes órgãos públicos para estudos sobre o impacto no sistema
viário para aprovação de novos projetas;
V – Elaborar projetos de engenharia de trafego, atendendo os padrões a serem praticados por
todos os órgãos e entidades do sistema nacional de trânsito, conforme normas do
CONTRAN, DENATRAN e CETRAN;
VI – Coordenar e supervisionar a implantação dos projetos, bem corno avaliar seus
resultados;
VII – Coletar dados estatísticos para elaboração de estudos sobre acidentes de trânsito e suas
causas;
VIII – Promover estudos no sistema viário, de forma a oferecer segurança na circulação de
veículos;
IX – Coletar dados estatísticos, visando adotar medidas na melhoria da malha viária;
X – Elaborar croquis para otimização do trânsito, conforme necessidade da cidade;
XI – Elaborar as artes visuais da Secretaria;
XII – Trabalhar em conjunto com o Diretor de Fiscalização, Sinalização e Mobilidade
Urbana e com o Chefe de Transportes Concedidos a respeito do apoio para as medidas de,
melhoria do trânsito, conservação e manutenção da sinalização viária e seus equipamentos;
XIII – Executar outras atividades inerentes ao cargo.


Art. 13 – Das atribuições do Assistente Administrativo:


I –Auxiliar o Diretor Administrativo, o Diretor de Fiscalização, Sinalização e .Mobilidade
Urbana no uso de suas atribuições;
II – Exercer atividades de manutenção dos serviços desenvolvidos pela Secretaria de
Trânsito e Transportes Municipal;
III – Manter atualizado o cadastro de servidores ativos e desligados da Secretaria;
IV – Receber, controlar e conferir a frequência de pessoal, estabelecendo os procedimentos
cabíveis e promovendo seu encaminhamento a Secretaria de Administração;
V – Controlar a concessão de férias dos servidores da Secretaria.


Art. 14 – Das atribuições do Assessor Executivo

I – Auxiliar Diretor Administrativo, o Diretor de Fiscalização, Sinalização e Mobilidade
Urbana, Chefe de Transportes Concedidos e o Chefe de Projetos de Trânsito, no uso de suas
atribuições;
II – Exercer atividades de manutenção dos serviços desenvolvidos pela Secretaria de
Trânsito e Transportes Municipal;


Art. 15 – Compete ao Assessor I as seguintes atribuições:


I – Prestar serviços de transporte de documentos e encaminhamento de informações,
mantendo as atividades de relacionamento operacional entre a Secretaria de Trànsito e
Transportes Municipal. as demais unidades administrativas do Município e do Estado;
II – Atividades auxiliares aos demais cargos da Secretaria de Trânsito e Transportes
Municipal.


Art. 16 – Este Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em
contrário.


Gabinete da Prefeita, 10 de dezembro de 2018.

Desenvolvido por BetterDocs

Atenção Contribuinte!

Com intuito de facilitar a integração entre a Prefeitura e os contribuintes em débito com o município, nosso SETOR DE COBRANÇA ADMINISTRATIVA, vinculado a Secretaria Municipal de Finanças, está realizando contato também pelo WHATSAPP número: 21 97091-5617. Através desse novo canal é possível obter informações de débitos de IPTU, receber guia de parcelamento com parcela inadimplente, entre outros serviços.
Ao receber alguma mensagem referente a qualquer cobrança em nome da Prefeitura Municipal de Paracambi, certifique se foi emitida através do nosso WHATSAPP DO SETOR DE COBRANÇA ADMINISTRATIVA nº 21 97091-5617.

101 Whatsapp Logo Png Transparent Background 2020 [Free Download]

(21)97091-5617